Quais são os riscos da anestesia por cateter nervoso periférico?

Share Print
Adresse

Rue Gabrielle-Perret-Gentil 4
1205 Geneva
Suíça

Professor
Martin Tramèr
Head of Division

Qualquer ato médico tem um risco associado. Mesmo se conduzido com competência. A frequência e a gravidade destes riscos são influenciadas pelo seu estado de saúde, a sua idade e o seu estilo de vida. As técnicas utilizadas em anestesia são fiáveis. Os riscos de complicações imprevisíveis que podem colocar a sua vida em perigo, como uma alergia, são extremamente baixos. Todas as diligências são tomadas para prevenir ou tratar de maneira ideal estas eventuais complicações.

Porém, podem ocorrer as seguintes complicações:

  • Durante a colocação do cateter:
    •  Hematoma no ponto de punção: na maioria dos casos é reabsorvido espontaneamente.
    • Dores no membro anestesiado: frequentes mas momentâneas e sem consequências.
    • Convulsões, problemas respiratórios e cardíacos: estes são consequência da injeção acidental do anestésico local num vaso sanguíneo. São raros e imediatamente corrigidos por medicamentos e assistência respiratória.
    • Lesão de nervos: esta complicação é rara e na maioria dos casos transitória.
  • Mais tarde no período pós-operatório:
  • Desaparecimento do efeito analgésico por eventual deslocação ou desconexão do cateter.
  • Infeção no ponto de entrada do cateter: esta necessita de um tratamento adaptado.
  • Risco de queda: se o membro inferior tiver sido anestesiado, por perda transitória da sua força muscular.
  • Outros efeitos secundários específicos de acordo com a zona operada: estes são na maioria dos casos transitórios e são-lhe explicados pelo médico durante a consulta pré-anestésica.

Note bem: outros riscos podem surgir se for necessário fazer tratamentos ou medidas de vigilância suplementares. De qualquer forma, o risco inerente à intervenção deve ser discutido com o cirurgião.

Perante qualquer sintoma persistente ou que o incomode, não hesite em falar dele à equipa de anestesia, ao seu cirurgião ou ao seu médico assistente.

Dernière mise à jour : 03/12/2019